Bancários aprovam proposta do Banese e não aderem à greve nacional

 

Após cinco rodadas de negociação com a direção do Banco do Estado de Sergipe (Banese), foi apresentada nesta segunda (29) uma proposta que foi apreciada em assembleia específica. Ela foi aprovada e os baneseanos não entraram na greve nacional. “Recebemos a proposta do Banese à tarde e avaliamos como interessante. Por isso, defendemos sua aprovação, mas pedimos solidariedade à greve dos nossos colegas dos outros bancos”, falou Ivânia Pereira, secretária de Comunicação do Sindicato dos Bancários de Sergipe (Seeb-SE) e funcionária do Banese.

A Assembleia específica dos Baneseanos foi realizada em seguida à geral, dia 29, que aprovou greve dos bancários por tempo indeterminado. A segunda proposta apresentada pela Fenaban (Federação Nacional dos Bancos), no último sábado, dia 27, que elevou o índice de reajuste de 7% para 7,35% (0,94% de aumento real) para os salários e demais verbas salariais; e de 7,5% para 8% (1,55% acima da inflação) para os pisos, foi considerada insuficiente, mais uma vez, pelo Comando Nacional dos Bancários.

Já a proposta apresentada pelo Banese foi aprovada por ampla maioria dos baneseanos. “O Sindicato implementa a decisão da categoria, mesmo que não seja a posição defendida pela sua diretoria. Porém, no caso do Banese, a proposta foi considerada satisfatória por toda a diretoria do Seeb-SE”, defende José Souza, presidente do Seeb-/SE. Além disso, a Diretoria Executiva do Banco se comprometeu a acatar a proposta da Fenaban, fazendo a complementação, caso ela seja mais vantajosa para os empregados.

“Banese evitou de forma madura a greve nacional”, diz sindicalista

A direção do Banese evitou, de forma madura, a greve nos bancos. Um dia antes da deflagração da greve desta terça-feira, dia 30, o sindicato e o banco se afirmam enquanto entidades com capacidade de negociação e o banco não ficou exposto à greve. Esse processo de negociação revelou um processo de maturidade. A afirmativa é do presidente do Sindicato dos Bancários de Sergipe (Seeb-SE), José de Souza.

PrimeiroDiaGreveCampanhaSalaraial2014-158

José Souza lembra que em 2013, a greve no Banese durou 21 dias consecutivos. Já em 2012, o banco estadual foi o último a negociar o fim da paralisação. “Este ano, a direção do Banese entendeu que era possível apresentar proposta melhor e antecipadamente à Federação Nacional dos Bancos (Fenaban)”, afirma José Souza.

A diretora de Comunicação do Seeb-SE, Ivânia Pereira destaca que o ano passado, o movimento grevista no Banese só foi debelado depois de muito esforço dentro da Superintendência Regional do Ministério do Trabalho e Emprego em Sergipe (SRTE). As negociações foram dirigidas pela superintendente do STRE, Celuta Krauss. “A assembleia específica dos funcionários do Banese foi uma das maiores dos últimos anos. E nessa reunião, reconhecemos a atitude da direção do Banese em negociar antecipadamente como muito importante para todos”, afirma Ivânia. O baneseano Francisco Brasileiro também considerou positivo à antecipação da negociação do banco estadual.

Acordo específico do Banese

Este ano, para fechar a minuta específica do Acordo Coletivo 2014/2015, o Banese elevou os índices de reposição salarial e sobre os pisos e ainda se comprometeu em acompanhar as vantagens que poderão ser oferecidas pela Federação Nacional dos Bancos (Fenaban). Veja as propostas apresentadas e aprovadas pelos baneseanos e baneseanas.

Veja a proposta apresentada pelo Banese:

1) Abono de R$1.100, que será pago esta quarta-feira (01/10/2014).
2) Reajuste salarial de 8% para todos os empregados e também para gratificações de funções e tetos mínimos; entre outros benefícios.
3) Retorno de 3 abonos assiduidade.
4) Aumento de 50% para 70% de incentivo à atividade física.
5) Elaborar nova proposta de distribuição de moedas pelo atingimento de metas, até 31/12, levando em consideração a reivindicação do SEEB/SE de reduzir as distorções.
6) Elaborar regras de movimentação de pessoal até 31/12.
7) Eleição de Delegados Sindicais conduzidas pelo Sindicato.
8) Manutenção das cláusulas acordadas anteriormente.

Principais reivindicações dos bancários:

– Reajuste salarial de 12,5%.
– PLR: três salários mais parcela adicional de R$ 6.247.
– 14º salário.
– Vales alimentação, refeição, cesta-alimentação, 13ª cesta e auxílio-creche/babá: R$ 724 ao mês para cada (salário mínimo nacional).
– Gratificação de caixa: R$ 1.042,74.
– Gratificação de função: 70% do salário do cargo efetivo.
– Vale-cultura: R$ 112,50 para todos.

Fonte: Sindicato dos Bancários de Sergipe

Compartilhar: