Ato contra demissões de cobradores e o monopólio do transporte público em Belém.

  1. Altair Brandão, conversando com populares

No fim da tarde desta quarta-feira (11), o Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários de Belém, filiado a CTB, liderado pelo presidente e vereador Altair Brandão, e as comunidades de Icoaraci e Outeiro protestaram contra o nonopólio da empresa Belém-Rio, que detém mais 60% da frota de ônibus coletivo da capital paraense, e as demissões de cobradores.

O ato denunciou a retirada dos ônibus do final de linhas, demissão de trabalhadores, dupla função dos motorista e a péssima qualidade do serviço no trasporte público.

No ato o presidente do sindicato denunciou a empresa Belém-Rio de realizar demissões de cobradores e de impor a dupla função aos motoristas (motorista/cobrador), fatores que eliminou vários postos de trabalho, após a nova etapa do BRT, que eliminou a função dos cobradores, e com a inaugurada na estacão Maracacuera os ônibus não vão mais até os finais de linhas, o que prejudicou e gerou insatisfação da população dos bairros da região, além da categoria de rodoviária ficarem insatisfeitos com as demissões e dupla funções.

O ato foi pacífico, pois o objetivo do Sindicato e da categoria rodoviária era conversar com a população e denunciar os desmandos da Belém-Rio, que oferece um péssimo serviço a população e impõe uma prática anti-sindical e até mesmo de ameaças as lideranças sindicais e os trabalhadores.

Rafael Galvão, liderança sindical juvenil da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil – CTB Pará, ao usar da palavra, no ato, manifestou apoio a categoria e solidariedade a população prejudicada, falou da necessidade de tratar das questões com o prefeito municipal, visto que o município é o responsável pela concessão das autorizações de funcionamento das empresas de transporte público em Belém.

Altair Brandão, reafirmou que seguirá defendendo os postos de trabalho dos cobradores rodoviários e na defesa da população de ter transporte público de qualidade para atender a comunidade belenense.

Compartilhar: