Após 8 dias de greve, garis do RJ conquistam R$ 1.100 de piso salarial

garis

Os garis da cidade do Rio de Janeiro conquistaram no último sábado (8) um piso salarial de R$ 1.100, após greve de oito dias para cobrar melhorias nas condições laborais. A audiência no Tribunal Regional do Trabalho (TRT) se arrastou durante toda a tarde de sábado e chegou ao fim com a aceitação da administração Eduardo Paes (PMDB) da última proposta feita pelos representantes da categoria.

A audiência de conciliação entre a Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb) e o Sindicato dos Empregados de Empresas de Asseio e Conservação do Município do Rio, que estava agendada para a próxima terça-feira (11), foi antecipada para este sábado e foi realizada na Justiça do Trabalho, no Centro.

Piso

O novo piso fica abaixo dos R$ 1.200 almejados por um segmento dos garis, mas é R$ 225,21 maior que o previsto no acordo fechado previamente entre a prefeitura e o Sindicato de Empregados de Empresas de Asseio e Conservação e representa um reajuste de 37%. Um grupo dos profissionais não gostou da proposta obtida previamente e passou a desconhecer a mediação sindical, o que levou a administração Paes a promover críticas e a desconhecer a manutenção da greve iniciada em meio ao carnaval.

garis2

Além do aumento do salário, que anteriormete era de R$ 803, sobe também o ticket-refeição, de R$ 12 para R$ 20. O secretário da Casa Civil, Pedro Paulo Carvalho, informou que a coleta será normalizada já neste sábado e a previsão é de que a cidade fique toda limpa em 3 dias.

Demissões

Sobre as possíveis demissões, que haviam sido anunciadas para os garis que faltasse ao trabalho, Paes disse que não pretende mandar ninguém embora, mas que casos específicos serão analisados.

Estiveram presentes na reunião: o presidente da Comlurb, Vinícius Roriz; o chefe da Casa Civil, Pedro Paulo; o procurador-geral do Município, Fernando Dionísio; presidente do Sindicato de Empregados de Empresas de Asseio e Conservação, Luciano David Araújo, e o vice-presidente Antônio Carlos da Silva; o presidente do TRT, Carlos Alberto Araújo Drummond; a vice Maria das Graças Cabral Viegas Paranho; e a procuradora regional do Trabalho Débora da Silva Félix.

Na última sexta-feira (07), a CTB-RJ divulgou uma Nota de Apoio à greve da categoria, afirmando que os profissionais da limpeza urbana prestam um serviço essencial para o bom funcionamento da cidade e devem ser tratado com respeito pelo poder público.

No documento a CTB-RJ repudia com veemência a demissão dos profissionais Garis e defendeu a reabertura das negociações com readimissão imediata de todos os demitidos.

Portal CTB com agências

Compartilhar: