A greve da educação chega ao 14º dia em Moju/PA

A categoria dos trabalhadores e trabalhadoras em educação do município de Moju, no Pará, chega ao 14º dia de greve, e realiza na manhã desta terça-feira (17), em atividade grevista, uma palestra com a assessora jurídica do sindicato, a advogada Monalisa Porfírio, sobre o “Direito a Greve e a Criminalização dos Movimentos Sociais”. A ação é coordenada pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Pará, SINTEPP subsede Moju, que representa os profissionais em greve.

Ontem (16), a categoria educacional teve um debate público sobre as “Políticas Públicas Inclusivas: Avanços e Retrocessos na Educação”. Para o coordenador da subsede do Sintepp Moju, professor Manoel Quaresma, são necessários os debates sobre os temas educacionais e os direitos da categoria, como o direito à greve, visto as ameaças e pressões da Administração para a suspensão do movimento grevista, sem a devida negociação e atendimento das justas demandas pautadas pela educação municipal local.

O sindicalista e vereador pelo PCdoB, o professor Gerson Dourão, destaca que no contexto dos ataques a educação, aos direitos trabalhistas e previdenciários, com os cortes de verbas pelo governo federal, do presidente Jair Bolsonaro, as áreas sociais como educação e saúde, os debates e formações com o conjunto da categoria são essenciais para o fortalecimento da luta, da unidade e por garantia de direitos para todas e todos trabalhadores da educação mojuense.

O coordenador Manoel Quaresma, ainda destacou a necessidade do atendimento das demandas sociais e econômicas por parte da Administração da prefeita Nilma Lima (MDB), para a garantia de um atendimento descente aos educandos, elencando necessidade de abertura de novas salas de AEE, fomento à Apae, disponibilização de professores auxiliares com formação especializada, de mais profissionais de apoio as unidades escolares, formação continuada aos professores da rede e políticas públicas mais assertivas que possibilite o desenvolvimento e a inclusão social dos filhos e filhas dos munícipes de Moju, com educação de qualidade.

 

A greve da categoria foi deflagrada no dia 27 de agosto, com paralisação das atividades a partir do dia 04 de setembro de 2019. E na última quarta-feira (11), a pedido do Sindicato, o Ministério Público do Estado do Pará, via sua promotoria em Moju, convocou o governo e sindicato para uma audiência objetivando uma conciliação, sem acordo, na audiência, entre as partes. O governo municipal foi requisitado, pela Promotora, para apresentar uma proposta concreta até dia 23/09 (segunda-feira).

O sindicato reclama da falta de reajuste de salarial de 4,17% para os servidores de nível superior, especialistas e mestres, cortes na carga horária da categoria, de pendências como licenças, aposentadorias, informações incompletas dos servidores no INSS e pagamento de retroativos.

Antes da audiência, no dia 11/09, o Sintepp Moju, realizou ato público em frente ao Fórum local, com a presença de lideranças e das coordenações do Sintepp de subsedes de municípios vizinhos, da regional e da estadual, bem como, contou com a presença da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil – CTB Pará, representada pelo seu presidente, professor Cleber Rezende, que manifestou total apoio a greve da categoria, à Coordenação do Sintepp Moju e colocou a CTB Pará a disposição da luta pela garantia dos direitos e interesses da categoria em luta.

 

O coordenador sindicato, professor Manoel Quaresma, lembra que as atividades de greve seguem com panfletagem no comércio local, na manhã desta quarta-feira (18), e na oportunidade, haverá esclarecimentos a população em frente ao terminal rodoviário. Ainda ocorrerá uma entrevista da coordenação do Sintepp na emissora de rádio de Abaetetuba a partir das 8 horas da manhã.

Compartilhar: