1º de Maio Unitário: ato nacional reúne um milhão em São Paulo

Cerca de um milhão de pessoas. Esse foi o público aproximado que compareceu à Praça Campo de Bagatelle, zona norte da cidade de São Paulo, para assistir ao grande ato unificado de 1º de Maio – Dia Internacional do Trabalhador – promovido pelas centrais sindicais CTB, CGTB, Força, NCST e UGT.

Com o tema  “Desenvolvimento com menos juros, mais salários e empregos”, além de oferecer entretenimento ao trabalhador, o ato unificado trouxe em seus discursos políticos a defesa da redução da jornada sem redução de salários; educação e qualificação profissional; valorização do serviço público e do servidor público; valorização do salário mínimo; redução da taxa de juros; fim do fator previdenciário e valorização das aposentadorias; igualdade entre homens e mulheres e, Trabalho Decente.

Como bem lembrou o presidente da CTB, Wagner Gomes, o Dia do Trabalhador vai muito além de uma simples comemoração, ‘é um dia para reforçar as pautas que permeiam a Agenda da Classe Trabalhadora’.

1_maio_wagner

Opinião compartilhada por Antônio Lopes, presidente do Sindicato dos Marceneiros de SP. “O 1º de Maio serve para refletirmos e adotarmos bandeiras de luta para chegarmos aos objetivos que ainda não alcançamos, como por exemplo, a redução dos impostos, não só para os empresários como também para os trabalhadores”, afirmou o dirigente marceneiro.

Unidade consolidada

Não é a primeira vez que as centrais as centrais promovem o 1º de maio Unificado e, na opinião dos sindicalistas, desde o começo a iniciativa tem se mostrado correta.

“O Brasil vive um ciclo progressista muito grande e nossa luta pelo desenvolvimento, com mais emprego de qualidade e melhores salários, tem como pressuposto a unidade do movimento sindical. Por isso a realização desse ato merece o apoio de todos aqueles comprometidos com os interesses dos trabalhadores”, ressaltou o vice-presidente da CTB, Nivaldo Santana.

“Este é um momento especial que dá uma demonstração de força do movimento sindical e ao mesmo tempo contribui para a elevação da consciência dos trabalhadores, que é fundamental para o desenvolvimento do nosso Brasil”, observou o presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia, que prestigiou o evento.

Para o presidente da NCST, José Calixto Ramos “o ato já se transformou em um momento de confraternização entre as categorias para defender uma mesma causa: os interesses da classe trabalhadora”.

Unidos pelo avanço

Apesar de concordar que muitas conquistas foram alcançadas com a luta da classe trabalhadora, Pascoal Carneiro destacou as lutas vindouras. “Nós avançamos muito, mas temos muito a avançar. Já está na ordem do dia votar o fim do fator previdenciário, da isenção do imposto de renda na participação dos resultados (PRL). Então esse ato mostra essa força dos trabalhadores nos rumos da economia do país”.

Mereceu destaque durante o ato também a questão da desindustrialização. Para os sindicalistas é impossível que se condução país a um crescimento diante da situação da indústria nacional, que tem fechado postos de emprego devido a falta de investimento e a alta concorrência praticada por produtos importados.

Para o presidente da CGTB, Ubiracy Dantas, para reversão deste cenário, os juros precisam cair, e muito. “Estamos aqui, novamente unidas para que possamos nesse 1º de Maio barrar essa política econômica que está prejudicando a produção nacional, o emprego e o salário dos trabalhadores”.

Avaliação reforçada pelo presidente da Força Sindical, Paulo Pereira, o Paulinho. “Precisamos baixar os juros, reduzir a jornada, aumentar os salários e as aposentadorias. Mas só chegaremos lá com a pressão popular”.

Representante da presidenta Dilma Rousseff no evento, o secretário-geral da República, Gilberto Carvalho, reforçou o compromisso do governo com a classe trabalhadora. Gilberto Carvalho revelou que o anuncio da isenção de parte do Imposto de Renda na PLR (Participação nos Lucros ou Resultados) se dará ainda esta semana e que na quinta-feira (dia 3), a presidenta também se reunirá com as centrais para discutir assuntos de interesse dos trabalhadores. “É provável que a gente faça uma isenção até certo número. E posteriormente num efeito cascata”, afirmou.

Rumo ao avanço

Durante o ato esteve presente o novo ministro do Trabalho e Emprego, que deve assumir o posto na próxima quinta-feira (03), Brizola Neto (PDT/RJ), que externou sua opinião sobre a. “Para mim é um orgulho muito grande chegar ao Ministério do trabalho, apoiado pelos trabalhadores brasileiros”, confessou.

O novo ministro foi saudado por todos os presidentes. “Se inicia um processo de fortalecimento no ministério, porque quanto mais forte o ministério for, mais fortes serão as decisões em favor dos trabalhadores”, afirmou o presidente da UGT, Ricardo Patah.

Durante o evento político, outra data importante foi aprovada, em conjunto com os trabalhadores: um dia nacional de lutas pela pauta trabalhista. O dia ainda será acertado em encontros posteriores.

Para o líder do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), o momento é de arregaçar as mangas. “A partir desse ato é extremamente importante que a classe trabalhadora tenha uma agenda para a manutenção de seus direitos. Fazer essa luta no Dia internacional do Trabalhador é justamente o esforço coletivo de darmos um salto de qualidade combinando a luta do campo e a luta da cidade. Com essa unidade construída entre as centrais todos os trabalhadores têm a ganhar”.

“O nosso objetivo é continuar avançando. Mais emprego de qualidade, educação e qualificação, e ao mesmo tempo uma sociedade mais justa. Uma divida história que estamos tentando resgatar no nosso país”, finalizou o Rogério Carvalho, secretário de Políticas Sociais da CTB.

Além do grande Ato Nacional em São Paulo, outras capitais também realizaram mobilizações unificadas semelhantes Brasil afora. Acontecem ainda atos no RJ, RS, BA, SE, RO, entre outros.

Clique e confira a galeria de imagens do 1º de Maio Unificado das Centrais

Cinthia Ribas – Portal CTB (foto: Joca Duarte e Chico Alves)

Compartilhar: