Ford está investindo US$ 1 bilhão na África do Sul e diz que não tem dinheiro para pagar operários no Brasil

A multinacional dos Estados Unidos está travando as negociações com os operários e operárias brasileiras que ficarão sem emprego com a decisão da matriz de fechar suas fábricas em nosso país. A direção da montadora diz que não tem dinheiro para atender as reivindicações dos trabalhadores. Mas uma notícia recente sobre os negócios da empresa sugere que ela está faltando com a verdade.

Pouco depois de informar que está deixando o Brasil, a multinacional anunciou investimento de US$ 1 bilhão em operações de produção na África do Sul. O dinheiro será usado para a ampliação da fabricação da picape Ranger.

Atualmente, a montadora possui uma capacidade de fabricação de 168 mil veículos no país sul-africano e pretende ampliá-la para 200 mil. “É o maior investimento nos 97 anos da Ford na África do Sul e um dos maiores já realizados na indústria automotiva local”, disse a diretora de operações Andrea Cavallaro, do grupo de mercados internacionais da montadora.

De acordo com informações da Agência Reuters, o investimento anunciado pela Ford reforça o grupo de montadoras globais que buscam ampliar a produção no continente africano – formado também pela Volkswagen, Toyota e Nissan.

No caso da Ford, aproximadamente um terço de sua produção local é vendida na África do Sul e outros mercados da África Subsaariana.

Ainda segundo a Reuters, o país sul-africano possui ambições para o setor automotivo e quer inseri-lo no centro de sua estratégia de recuperação econômica e de redução do desemprego. A meta é mais do que dobrar a produção anual da indústria automotiva para 1,4 milhão de veículos até 2035 e elevar a participação de autopeças nacionais em 21%.

São fatos que mostram a preocupação e os investimentos do governo sul-africano na industrialização do país, em contraste com o que ocorre no Brasil de Bolsonaro.

A verdade que transparece é que a direção da Ford está mentindo. A multinacional, que se apropriou de dezenas de bilhões de dólares do setor público em incentivos fiscais e aquisição privilegiada de terrenos, tem todas as condições de atender as justas demandas dos funcionários que pretende deixar aos deus-dará.

Compartilhar: