Sindicato lamenta demissões autoritárias no Grupo Folha

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo (SJSP) lamenta a decisão do Grupo Folha de demitir os jornalistas Alec Duarte, editor-assistente de política a Folha de S.Paulo e a repórter Carol Rocha, do Agora SP, por postarem comentários nos seus “twitteres” pessoais a respeito de procedimentos realizados pelo jornal durante a cobertura do falecimento do ex-vice-presidente José de Alencar. É uma atitude autoritária que não coaduna com o discurso de uma empresa que diz defender a liberdade de imprensa e de expressão.

Nesta terça-feira (dia 5), o Sindicato realiza mesa redonda com a empresa Folha da Manhã, detentora dos títulos da Folha de São Paulo e o jornal Agora São Paulo. Entre os temas a serem abordados estão exatamente as más condições de trabalho na empresa, que além de trabalhar com não jornalistas profissionais (segundo o critério do Ministério do Trabalho), trata os seus funcionários em descumprimento do acordo coletivo. Eles são submetidos a acúmulo de função, alteração indevida nos contratos, jornada extenuante de trabalho, entre outras. Agora, com o episódio dos jornalistas, agrega-se autoritarismo nas relações de trabalho.

O diálogo que culminou com a demissão de Alec e Carol foi de apenas três frases, que tratava sobre a morte do ex-vice-presidente da República, José Alencar, e que foram os seguintes:

“Mas na Folha.com nada ainda… esqueceram de apertar o botão. rs”, respondeu a repórter do Agora.

“Nunca um obituário esteve tão pronto. É só apertar o botão”, comentou o editor-assistente da Folha, sem citar nomes.

Alec então lembrou do erro do jornal, que noticiou erroneamente a morte do senador Romeu Tuma, em outubro de 2010. “Ah sim, a melhor orientação ever. O último a dar qualquer morte. É o preço por um erro gravíssimo.”

Fonte: Sindicato dos Jornalistas do Estado de São Paulo

Compartilhar: