Brasil comemora o centenário do seu maior sanfoneiro

No dia 13 de dezembro de 1912, uma sexta-feira, nascia em Exu (PE) o segundo dos nove filhos do casal Januário José dos Santos e Ana Batista de Jesus, que, na pia batismal da igreja matriz da cidade recebeu o nome de Luiz Gonzaga Nascimento.

Com apenas 8 anos de idade, ele substitui um sanfoneiro em festa tradicional na Fazenda Caiçara, no Araripe, Exu, a pedido de amigos do pai. Canta e toca a noite inteira e, pela primeira vez, recebe o que hoje se chamaria cachê. O dinheiro, 20 mil réis, “amolece” o espírito da mãe, que não o queria sanfoneiro.

A partir daí, os convites para animar festas – ou sambas, como se dizia na época – tornam-se frequentes. Antes mesmo de completar 16 anos, Luiz de Januário, Lula ou Luiz Gonzaga já é nome conhecido no Araripe e em toda a redondeza, como Canoa Brava, Viração, Bodocó e Rancharia.

Um século depois, muitas são as histórias que seus companheiros têm para contar desse homem que fez o povo brasileiro conhecer a dureza da vida no sertão, mas também levou muita alegria com sua sanfona para todo o país.

Na trajetória que o levou à consagração nacional, um episódio é revelador do papel de Luiz Gonzaga em prol da cultura nordestina. Mais importante emissora da América Latina na época, a Rádio Nacional exigia que os cantores e músicos de seu elenco vestissem traje a rigor em suas apresentações no auditório.

Com o sanfoneiro não foi diferente. Quando começou a fazer sucesso, era de smoking que ele se apresentava. Certo dia, porém, ele descobriu que havia uma exceção: o também sanfoneiro Pedro Raimundo, gaúcho que fazia parte dos quadros da emissora, se apresentava usando a bombacha típica dos pampas.

Gonzaga reivindicou o direito de usar um figurino que marcasse sua identidade nordestina, a exemplo do que o colega fazia com o Rio Grande do Sul. Ele apareceu na rádio com a típica vestimenta de vaqueiro da região, mas foi impedido de atuar pelo então diretor artístico da emissora, Floriano Faissal.

“Marginal, não. Roupa de cangaceiro aqui não”, teria dito Faissal. Em meados dos anos 1940, o traje típico do sertanejo nordestino ainda era associado ao bando de Lampião, morto pela polícia poucos anos antes, em 1938.

Contemporâneo de Luiz Gonzaga na Rádio Nacional, o veterano radioator e apresentador Gerdal dos Santos, que até hoje integra os quadros da emissora, confirma o preconceito. “Existia, de fato, naquela época, na cultura urbana do Rio, uma valorização do bolero, do foxtrote, das músicas que faziam a trilha sonora dos filmes americanos e, por conta disto, um certo preconceito com relação à música nordestina. E isto se estendia à vestimenta”, diz Gerdal.

Luiz Gonzaga foi aperfeiçoando o traje, que usava em suas apresentações fora da rádio, até que conseguiu impor na emissora sua imagem e o figurino. A partir daí, pôde trabalhar com o chapéu de couro e as demais peças que haveriam de ser sua marca por décadas.

Fonte: Agência Brasil

Compartilhar: