Vice-presidente da CPI da covid denuncia corrupção por trás da defesa que Bolsonaro fez da cloroquina

Em entrevista ao programa Revista Brasil TVT no domingo (6), o senador e vice-presidente da CPI da Covid, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), afirmou que o interesse do governo Bolsonaro em promover o uso maciço da cloroquina no tratamento de pacientes de covid-19 foi motivado “por dinheiro”. “Esse negócio que a hidroxicloroquina era isso, era aquilo (sobre eficácia contra a covid), negativo! Era dinheiro (…) Vou ser mais claro: corrupção… passando a mão… esquema! Advocacia administrativa. Nós temos provas disso na CPI”. O programa foi exibido pelo canal da TVT no Youtube.

Durante cerca de 25 minutos, em que foi entrevistado pelos jornalistas Cosmo Silva e Maria Tereza Cruz, o parlamentar detalhou os eixos da investigação da CPI da Covid. Além de relacionar as negativas para a aquisição de vacinas para a população à propaganda da cloroquina, Randolfe fala das evidências da atuação do chamado gabinete paralelo, e antecipa que o colegiado deverá convocar o deputado federal negacionista Osmar Terra e o médico virologista Paulo Zanoto.

O parlamentar denunciou a existência de um “esquema de pessoas ligadas a Bolsonaro” e a destinação de “vultosas quantias de dinheiro para a defesa da cloroquina”. Ele também anunciou que a comissão vai pedir a quebra de sigilo bancário de algumas empresas associadas ao governo na saga de Bolsonaro pela cloroquina. “A negativa da vacina foi motivada por dinheiro, por corrupção”, afirma.

Assista o trecho final da entrevista:

Compartilhar: