Dia de Mobilização: Trabalhadores param Paulista

“Esta iniciativa reforça, cada vez mais, a unidade das centrais e os laços de solidariedade entre a classe trabalhadora”, declarou o presidente nacional da CTB, Adilson Araújo, no Dia Nacional de Paralisações e Mobilizações, em São Paulo, que ocorreu nesta sexta-feira (30). 

Cerca de cinco mil manifestantes fecharam a Avenida Paulista para exigir o fim do fator previdenciário, a redução da jornada de trabalho sem a redução de salário, fim do Projeto de Lei 4330/2004, que amplia a terceirização, reajuste digno para os aposentados, investimentos em saúde, educação e segurança, transporte público de qualidade, reforma agrária, fim dos leilões do petróleo e igualdade de oportunidades entre homens e mulheres. 

Reivindicações que já têm quase três anos, segundo informou o  presidente da CTB São Paulo, Onofre Gonçanves, mas que não tiveram avanços. Em sua avaliação este dia de luta é importante para pressionar o governo federal e atender as demandas dos trabalhadores. 

caminhada

Por sua vez, Adilson Araújo, denunciou que a crise econômica mundial impõe a precarização das relações de trabalho “flexibilizando direitos e conquistas históricas da classe trabalhadora”.O presidente nacional da Central denunciou a falta de investimentos sociais. “O dinheiro do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) e para obras de infraestrutura estão engavetados”, ele alertou ainda para a orientação conservadora da política macroeconômica que têm atendido à pressão dos banqueiros e do capital estrangeiro. “Só no ano passado 300 empresas do Brasil foram adquiridas por empresas de capital estrangeiro”, expressou, para ele é necessária a reforma política para alterar a correlação de forças entre a população e o governo. 

consolacao

O presidente da CTB aproveitou a ocasião para informar que no próximo dia 3 de setembro a Central promoverá manifestações, com o objetivo de  derrubar o projeto de lei que amplia a terceirização.”Embora as centrais sindicais tenham buscado o diálogo entre governo, gestores públicos e empresários percebemos que não há boa vontade por parte do patrão até porque a forma com que o projeto se apresenta precariza mais ainda as relações de trabalho”, afirmou. 

Hoje a aula é na rua 

Antes de chegar à Avenida Paulista, os manifestantes se concentraram na Praça da República onde receberam o apoio de estudantes e professores que aderiram  à jornada de luta para exigir uma educação pública e de qualidade. No fim da ação, os participantes deram as mãos para fazer um abraço simbólico em volta da Secretaria Estadual de Educação e partiram em caminhada pela rua da Consolação até chegar ao Masp. 

A presidenta da União dos Estudantes do Estado (UEE), Carina Vitral lembrou que o dia de lutas dos trabalhadores e centrais é uma continuidade às manifestações que ocorreram no mês de junho e exigiu melhorias na mobilidade urbana, ela denunciou a privatização da educação e citou como exemplo a Faculdade FMU, que foi vendida para a rede americana Laureat. “Isso precariza e faz cair a qualidade do ensino”, denunciou. 

Durante o ato, os manifestantes também exigiram uma CPI para apurar as denúncias de corrupção nos governos do PSDB, que teriam desviado cerca de R$ 9 bilhões, dinheiro este que, segundo a presidenta do Sindicato dos Professores do Estado de São Paulo (Apeoesp), Maria Izabel Noronha, que coordenou o ato em frente à Secretaria de Educação, deveria ter sido usado para o aumento do salário dos professores, a criação de creches para as mães trabalhadoras e investimentos no setor, para ela este foi “um dia de aula pública nas ruas”.

Na capital paulista, as ações começaram desde a manhã com o fechamento da Ponte das Bandeiras pelos trabalhadores do Sindicato dos Trabalhadores em Água, Esgoto e Meio Ambiente (Sintaema), também houve uma concentração no Viaduto Santa Ifigênia, onde desde a véspera os aposentados acamparam em frente ao INSS, para pedir o fim do fator previdenciário. Durante todo o dia houve manifestações por todo o país. 

Érika Ceconi – Portal CTB
Fotos: Joca Duarte 

Compartilhar: