Singer destaca abrangência da economia solidária

Segundo a Agência Brasil, o secretário nacional de Economia Solidária, Paul Singer, disse durante seminário sobre avanços, desafios e perspectivas dessa área que os mais pobres, que têm menos oportunidades, se aproveitam mais da economia solidária, porque, se não aproveitarem, não conseguem viver. “Mas a economia solidária é para todas as classes", disse.

Segundo Singer, a economia solidária é uma prática econômica associativa, que busca democratizar o lucro todos os sócios trabalham e são donos do empreendimento. De acordo com ele, 44% desss associações estão no campo, a maioria na Região Nordeste. Existem mais de 20 mil empresa solidárias em todo o país, com cerca de 1,7 milhão de sócios.

Movimentos sociais

Para o secretário, a moeda social é um dos avanços da economia solidária, servindo como dinheiro para determinados grupos, pois as economias mais carentes sofrem com escassez de dinheiro. Singer citou o Banco Palmas, em Fortaleza, que atende a 30 mil famílias, como um exemplo de banco comunitário que usa a moeda social.

Na opinião de Paul Singer, o seminário serviu para tratar da relação entre o governo brasileiro e os movimentos sociais que adotam essa prática econômica. "Os governos têm um relação antagônica com a economia solidária, porque querem apoiar a economia solidária, mas também apóiam a economia capitalista", afirmou.

Compartilhar: