Projeto sobre reajuste de aposentadorias não foi votado nesta quarta

Nesta quarta-feira (4), em Brasília, a Câmara dos Deputados foi literalmente ocupada por cerca de mil aposentados mobilizados pela Cobap (Confederação Brasileira de Aposentados e Pensionistas), que percorreram de ônibus milhares de quilômetros de todas as regiões do País para acompanhar de perto a votação do projeto de lei 01/07, cuja emenda garante em 2010 o mesmo índice de reajusta do salário mínimo para todas as aposentadorias e pensões.

O projeto contempla diretamente 8,1 milhões de beneficiários do INSS que ganham mais que um salário, mas não foi votado nesta quarta-feira (5), já que a pauta da Câmara foi trancada por uma MP (Medida Provisória 466/09, que muda as regras do subsídio concedido à geração de energia por termoelétricas na região Norte).

Foto: Rodolfo Stuckert - Agência Câmara

Mobilização

Apoiada pelas CTB, UGT, FST, Nova Central e Conlutas, a Confederação Brasileira de Aposentados e Pensionistas (COBAP), organizou caravanas provenientes dos estados de São Paulo, Santa Catarina, Minas Gerais, Goiás, Bahia, Rio de Janeiro, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Sul, Alagoas, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Distrito Federal, para, a partir das 14 horas, ocuparem galerias da casa. Os manifestantes aproveitaram a ocasião para panfletar nos gabinetes dos deputados e protestar de forma ordeira e pacífica nos corredores.

Foto: Rodolfo Stuckert - Agência Câmara

A colocação em pauta do PL 01/07 foi compromisso assumido publicamente pelo presidente da Câmara, Michel Temer, que há meses vinha sendo pressionado para fazer justiça aos aposentados. A Cobap promete divulgar para todo o Brasil o nome dos deputados e partidos que traírem os aposentados e votarem contra os interesses da categoria.

Foto: Rodolfo Stuckert - Agência Câmara

"Em 2010 teremos eleições, será o momento propício para os 26 milhões de aposentados brasileiros saberem realmente quem são seus amigos na Câmara, assim poderão votar de forma consciente, sem medo de se arrepender", disse Warley Martins Gonçalles, presidente da Cobap. O governo não quer a aprovação da emenda. Argumenta que as despesas adicionais para a Previdência Social seriam da ordem de R$ 6 bilhões. A votação da matéria, porém, foi adiada.

(Portal CTB, com informações da Cobap e Câmara Federal – Foto Agência Câmara)

Compartilhar: