Presidenta Dilma estabelece pauta trabalhista com lideranças sindicais

O presidente da CTB, Adilson Araújo, reuniu-se nesta segunda-feira (8) com a presidenta Dilma Rousseff, juntamente com as lideranças da CUT, Força Sindical, Nova Central e UGT. O encontro definiu a abertura de uma mesa de negociação trabalhista para 2015, que inclui, entre outros temas, a valorização do salário mínimo, a correção da tabela do Imposto de Renda e a discussão do fator previdenciário. “A vitória do projeto de desenvolvimento representado por Dilma garante que a luta dos trabalhadores continuará encontrando em Brasília o diálogo que o país precisa”, comentou Araújo. “Não significa, contudo, que a batalha será fácil, pois enfrentaremos no próximo mandato uma força conservadora maior que em tempos anteriores”, alertou.

A presidenta reafirmou o compromisso feito durante a campanha eleitoral de ampliar o diálogo com os representantes dos trabalhadores e garantiu que vai manter as políticas públicas de geração de emprego e renda e a política de valorização do salário mínimo.

Dilma garantiu ainda que vai corrigir a tabela do Imposto de Renda para 2015 e encontrar medidas alternativas ao fator previdenciário e para a regulamentação da Convenção 151 da OIT (Organização Internacional do Trabalho), que estabelece o princípio da negociação coletiva entre trabalhadores públicos e os governos das três esferas – municipal, estadual e federal.

Sobre a tabela do Imposto de Renda, Dilma prometeu encaminhar ao Congresso medida que reposicione a correção. Neste ano, a presidenta editou uma medida provisória com a correção de 4,5%, porém, por não ter sido votada no prazo, perdeu a validade. Os representantes de centrais sindicais disseram que a presidenta não se comprometeu com um percentual específico, mas eles esperam um índice maior, já que a inflação deste ano vai fechar próxima ao teto da meta, de 6,5%.

Pauta de reivindicações:

. Fim do fator previdenciário;

. Manutenção da política de valorização do salário mínimo;

. Regulamentação da Convenção nº 151 da OIT;

. Correção da tabela do imposto de renda;

. Reforma agrária e as políticas de fortalecimento da agricultura familiar;

. Redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais sem redução de salário;

. Reforma tributária;

. Reforma política; e,

. Regulamentação dos meios de comunicação.

De Brasília, Ludmila Machado – Fotos: Valcir Araújo

Compartilhar: