Pobre é quem mais paga imposto no Brasil

A população de baixa renda, que recebe até três salários mínimos por mês, é a que mais paga impostos no Brasil. São 79% da população que contribuíram com R$ 537.937.743.190,66 (53%), no último semestre. Enquanto isso, as pessoas com renda que supera 20 salários mínimos, as chamadas fortunas, geram R$ 73 bilhões do montante total, equivalentes a 7,3% da arrecadação.

Os impostos são valores pagos, por pessoas físicas e jurídicas (empresas). O valor é arrecadado pelo Estado (governos municipal, estadual e federal) e serve para custear os gastos públicos com saúde, segurança, educação, transporte, cultura, pagamentos de salários de funcionários públicos, etc. O dinheiro arrecadado com impostos também é usado para investimentos em obras públicas (hospitais, rodovias, hidrelétricas, portos, universidades, etc). E o pagamento da dívida pública.

A cobrança incide sobre a renda (salários, lucros, ganhos de capital) e patrimônio (terrenos, casas, carros, etc) das pessoas físicas e jurídicas. A utilização do dinheiro proveniente da arrecadação de impostos não é vinculada a gastos específicos. O governo, com a aprovação do legislativo, é quem define o destino dos valores, através do orçamento.

No Brasil a carga tributária é uma das mais elevadas no mundo. Atualmente, ela corresponde a aproximadamente 37% do PIB (Produto Interno Bruto), segundo o Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT).

O grosso da carga tributária recaí sobre a população de baixa renda, o que evidencia a necessidade de uma reforma tributária. O sistema tributário brasileiro é voltado para a taxação do consumo, o estudo do IBTP aponta que alimentação (14,17%), habitação (42,43%) e transporte (23,41%) são os ramos em que mais se arrecada o que pesa no bolso da parcela menos favorecida da população.

Fonte: IBPT

Compartilhar: