Pesquisa revela que a mulher ainda é discriminada no trabalho

mulheres rio 20

Pesquisa anual do Fórum Econômico Mundial revela que a desigualdade entre homens e mulheres ainda é abissal no Brasil. O Índice Global de Desigualdade de Gênero 2013, publicado pela entidade na sexta-feira (25), mostra o Brasil na 62ª posição entre 136 países, mesma posição do ano passado, mas em relação a 2011, o país subiu 20 posições. Quatro setores considerados chave foram pesquisados: saúde, acesso à educação, participação política e igualdade econômica.

Apesar da dicotomia no mercado de trabalho, levantamento recente aponta a existência de 22 milhões de lares chefiados por mulheres no país. Estudo do Banco Mundial relata que a pobreza tem diminuído na América Latina, graças ao trabalho feminino.

O Índice do Fórum Econômico Mundial sinaliza avanço significativo no Brasil sobre igualdade no acesso à educação, saúde e expectativa de vida, o Brasil divide a primeira posição com vários países. Embora ainda tenha muito que avançar para assegurar o reconhecimento das mulheres no mercado de trabalho e na vida pública. 

No Congresso, por exemplo, a representação feminina não atinge 10% dos parlamentares (nesse item o país está na 116ª posição) e o Brasil demorou mais de 500 anos para eleger uma mulher à Presidência da República. 

Em relação à participação feminina no quadro de altos funcionários e na administração de empresas a presença das mulheres cresce e o país sobe para 32º da lista. No Judiciário, segundo a Organização dos advogados do Brasil, as mulheres representam 40% do corpo dos funcionários.

Já na questão sobre a igualdade de salários  o desempenho brsileiro é pífio. O paísl está na 117ª posição entre 126 países pesquisados. Por trabalho igual, as mulheres recebem em média apenas 54% do que é pago aos homens. A renda média das mulheres é estimada em apenas 61% da renda dos homens.

Mesmo com esses índices desfavoráveis ao trabalho feminino no país, o Fórum tece elogios às políticas desenvolvidas para que as mulheres possam crescer e ter condições de competir com igualdade aos homens e asim atinjam lugares de mais destaque nos postos-chave do mercado de trabalho também.

Portal CTB

Compartilhar: