Para Brizola Neto, luta pelo trabalho decente faz parte da agenda social do país

O ministro do Trabalho e Emprego (MTE), Brizola Neto, participou nesta quarta-feira (27) da abertura do Seminário Trabalho Decente no Brasil: Avanços no Período de 2006 a 2011. O evento, organizado pela Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público (Ctasp) da Câmara dos Deputados, conta com o apoio dos Ministérios da Previdência Social (MPS) e do Trabalho e Emprego (MTE).

Para Brizola Neto, o debate sobre o Trabalho Decente ocorre em um momento importante, principalmente quando está sendo preparada a convocação para a Conferência Nacional de Emprego e Trabalho Decente. “A agenda do trabalho decente se confunde com a agenda social brasileira, pois garante o direto dos trabalhadores e o coloca no centro do processo de desenvolvimento”, disse o ministro.

Brizola Neto destacou a importância do processo que vem ocorrendo no Brasil, com o país se comprometendo com a agenda e sua implementação. “Criamos um processo de geração de emprego, aumento real da renda, com a valorização do salário mínimo e a formalização do trabalho”, afirmou.

A diretora do escritório da Organização Internacional do Trabalho (OIT) no Brasil, Laís Abramo, considera que o principal avanço do Trabalho Decente no Brasil é a continuidade e o aprofundamento do compromisso que o país tem com o tema desde 2003, quando foi lançada a Agenda Nacional de Trabalho Decente.

Participaram também da solenidade, o procurador geral do trabalho, Luís Antônio de Melo, diretor da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), Juiz Germano Siqueira, secretária-executiva adjunta do MPS, Elisete Berchiol, a coordenadora de programas e ações do trabalho da Secretaria de Políticas para Mulheres (SPM), Glaucia Fraccaro e subsecretário de Trabalho do Distrito Federal, Washington Luiz.

O seminário, que encerra um ciclo de debates sugeridos pelo presidente da Ctasp, deputado Sebastião Bala Rocha, continua durante todo dia com debate sobre os temas Trabalho Decente: e a inclusão de jovens e pessoas com deficiência no mercado de trabalho; e os avanços na erradicação do trabalho escravo e trabalho infantil; e os avanços no combate às discriminações de gênero e raça e trabalho doméstico

Fonte: Portal MTE

Compartilhar: