Mulheres marcham por democracia e igualdade de direitos, na Bahia

Mulheres da CTB-BA marcham em Salvador por igualdade de direitos e pelo Brasil

As mulheres baianas também foram às ruas de Salvador nesta sexta-feira (13) para defender a democracia e cobrar igualdade de direitos. A caminhada saiu do Campo Grande e seguiu até a Praça Castro Alves, animada por um trio elétrico, que além de contar com a apresentação da cantora Nira Guerreira, foi o palco para amplificar as reivindicações de lideranças femininas de diversos segmentos da sociedade.

Durante o percurso, parlamentares, estudantes, sindicalistas e representantes do movimento social se revezaram ao microfone para alertar a sociedade sobre a ameaça de golpe à democracia que está sendo arquitetado por setores conservadores da sociedade com o apoio da grande mídia. “Vivemos muitos anos em uma ditadura, onde muitas mulheres foram torturadas e mortas, além daquelas que perderam seus filhos e companheiros. A luta pela democracia foi muito dura, por isso não podemos aceitar qualquer ameaça a esta conquista, principalmente agora que temos uma mulher presidenta do Brasil. Por isso, a luta das mulheres este ano não é apenas pelas bandeiras femininas, mas acima de tudo em defesa da democracia”, disse a secretária de Mulher da CTB Bahia, Marilene Bettros.

Marilene reforçou ainda a importância de defender a Petrobras, empresa que tem papel fundamental no financiamento da educação, principal porta de acesso das mulheres aos postos de comando da sociedade. “A destinação de 10% do Pré-sal para a educação é fundamental para o avanço do país, já que vai permitir a valorização dos professores e um investimento maior em políticas que garantam uma educação publica e de qualidade para todos”.

Mais direitos

A reforma política é outro ponto importante na pauta de reivindicações das mulheres. “Nós defendemos uma reforma política nos moldes defendidos pelos movimentos populares, que inclua o fim do financiamento empresarial de campanha e a paridade de gênero nas listas dos partidos, além de investimentos igualitários nas campanhas de homens e mulheres. Só assim, com representação igual no parlamento nós conseguiremos avanços efetivos em questões como o combate à violência e a igualdade de oportunidades”, afirmou a vice-presidente da CTB-BA, Rosa de Souza.

“Avançamos muito nos últimos anos, mas ainda ganhamos menos que os homens para desempenhar a mesma função, além de sofrermos com o preconceito e a falta de oportunidades de ascensão no mercado do trabalho. Precisamos avançar nestas pautas e também no combate á violência, que infelizmente ainda atinge milhões de mulheres brasileiras. Enquanto isso não vem, vamos continuar nas ruas no 8 de Março e em todos os dias do ano para cobrar direitos iguais e o fim da violência contra a mulher”, concluiu Rosa.

Fonte: CTB-BA

Compartilhar: