Mais um ato de ódio e perseguição política contra Lula

Foi noticiada nesta quarta-feira (7) a decisão da juíza curitibana Carolina Lebbos de transferir o ex-presidente Lula de Curitiba para São Paulo, o que de início foi por muitos interpretado como um fato positivo.

Mas na verdade trata-se, conforme constata o PT em nota, de mais um ato de perseguição contra o maior líder popular da história brasileira, condenado e preso injustamente no âmbito da Operação Lava Jato para viabilizar o golpe de Estado de 2016 e a eleição de Jair Bolsonaro, realidade revelada pelas mensagens publicadas no Intercept Brasil, El País, Veja, Folha de São Paulo, Correio Braziliense e outras mídias, com a notável e conveniente exceção da Globo, cujos donos estão envolvidos dos pés à cabeça na conspiração golpista.

A juíza acatou demanda da Superintendência da Polícia Federal sem consultar a defesa e ignorando os direitos que Lula tem como ex-comandante das Forças Armadas, provavelmente refletindo a aversão burguesa pela sua origem e raízes na classe operária. Os advogados do ex-presidente protocolizaram na 12ª. Vara Federal de Curitiba um pedido de suspensão da decisão até o julgamento final do habeas corpus nº 164.493/PR, que tramita no Supremo Tribunal Federal e teoricamente pode resultar na libertação do líder petista.

Mas a juíza não voltou atrás e Lula será transferido para um presídio em Tremembé no interior de São Paulo. Entenda melhor o caso lendo abaixo a nota emitida pelo Partido dos Trabalhadores sobre o episódio: 

1) A decisão de transferir o presidente Lula de Curitiba para São Paulo é de exclusiva responsabilidade da Superintendência da Polícia Federal do Paraná, que solicitou a medida, e da juíza de Execuções Penais Carolina Lebbos, que deferiu o pedido sem considerar os argumentos da defesa do ex-presidente.

2) Lula não deveria estar preso em lugar nenhum porque é inocente e foi condenado numa farsa judicial. Não deveria sequer ter sido julgado em Curitiba, pois o próprio ex-juiz Sergio Moro admitiu que seu processo não envolvia desvios da Petrobrás investigados na Lava Jato.

3) A decisão da juíza Carolina Lebbos caracteriza mais uma ilegalidade e um gesto de perseguição a Lula, ao negar-lhe arbitrariamente as prerrogativas de ex-presidente da República e ex-Comandante Supremo das Forças Armadas.

4) O Partido dos Trabalhadores exige que os direitos de Lula e sua segurança pessoal sejam garantidos pelo estado brasileiro, até que os tribunais reconheçam a sua inocência, a parcialidade da sentença de Moro e a ilegalidade da prisão, onde quer que seja cumprida.

Gleisi Hoffmann, presidenta nacional do PT

Paulo Pimenta, líder do PT na Câmara dos Deputados

Humberto Costa, líder do PT no Senado Federal

Brasília, 7 de agosto de 2019

Compartilhar: