Longe da crise, Santander lucra R$ 6,8 bilhões

A crise econômica não consegue abalar os rendimentos dos bancos no país. O lucro líquido de R$ 6,895 bilhões do Santander Brasil no primeiro semestre de 2019 é prova disto. O resultado é maior do que o registrado no ano passado, quando foi a empresa alcançou R$ 5,25 bilhões. 

Somente no segundo trimestre deste ano a lucratividade foi de R$ 3,41 bilhões. No caso do lucro gerencial dos últimos três meses, que exclui fatores extraordinários, registrou R$ 3,635 bilhões, alta trimestral de 4,3%.  

O Santander alcançou R$ 31,269 bilhões com receitas totais só nos seis primeiros meses do ano (+7,1%). Já a soma com as despesas totais chagaram em R$ 10,316 bilhões no mesmo período, alta de 3,2%. Em 12 meses, o crescimento da carteira de crédito foi de 9,3% e alcançou R$ 317,625 bilhões no final de junho de 2019.

 

Apesar de lucrar alto, o banco espanhol desrespeita os funcionários. Modificou arbitrariamente a bandeira do cartão alimentação e refeição para o Ben Vale com pouca rede credenciada. Além de ter colocado em prática projeto de orientação financeira aos sábados, quando os empregados tinham de trabalhar de forma “voluntária”.

Com 1.080 denúncias, o Santander ficou em terceiro lugar no ranking de queixas do Banco Central no segundo trimestre deste ano. O banco possui 45,45 milhões de correntistas. Em junho, o número de clientes ativos totais alcançou 25,5 milhões. Alta de 12% em relação ao mesmo mês de 2018. Clara demonstração que a direção da empresa se importa apenas com o lucro.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários da Bahia (bancariosbahia.org.br)

Compartilhar: