Doria, em Dubai, manda paulistanos ficarem em casa. 25 anos de governos tucanos em SP e enchentes seguem sem solução

O tucano João Doria inaugurava um escritório comercial em Dubai enquanto São Paulo ficava submersa.

“Somos pioneiros nessa iniciativa, certamente seremos seguidos por outros estados. A inauguração desse escritório foi uma decisão acertada que tomamos no intuito de promover e gerar negócios para São Paulo com países da região”, afirmou Doria. O escritório nos Emirados Árabes Unidos é o segundo a representar São Paulo no exterior – o primeiro fica em Xangai, na China.

O texto é de um press release do governo do Estado.

Os tucanos governam São Paulo há 25 anos.

Um dos fundadores do partido, André Franco Montoro, elegeu-se para o Palácio dos Bandeirantes em 1983 pelo PMDB, mas só migrou para o PSDB em 1988.

Mário Covas elegeu-se governador em 1995.

Desde então acabar com as enchentes é uma promessa de prefeitos e governadores.

O atual prefeito Bruno Covas e o governador João Doria não gastaram o que havia no orçamento para enfrentar as enchentes, informa a Rede Brasil Atual:

O orçamento paulistano de 2019 destinou R$ 300 milhões para combater enchentes e alagamentos, mas o governo Covas só aplicou R$ 50 milhões – cerca de 17%.

Também havia R$ 4 milhões orçados para investimentos no sistema de drenagem, dos quais nenhum centavo foi gasto.

Em 2017 e 2018, o então prefeito e atual governador paulista, João Doria (também PSDB), de quem Covas era vice, aplicou cerca de um terço de toda a verba orçada para combate a enchentes e alagamentos.

De R$ 824 milhões destinados à realização de drenagens, só R$ 279 milhões (38%) foram realizados. Em obras e monitoramento de enchentes, estavam previstos R$ 575 milhões, mas R$ 222 milhões (35%) foram investidos.

Quando o Tietê transbordou em 25 de maio de 2005, Geraldo Alckmin era governador e José Serra, prefeito. Ambos do PSDB.

O tucano Alckmin, pré-candidato ao Planalto, havia investido no aprofundamento da calha do rio Tietê.

Ao longo do rio, letreiros celebravam “três anos sem enchentes no Tietê”.

Em 8 de setembro de 2009, o Tietê voltou a transbordar.

José Serra, do PSDB, era então pré-candidato ao Planalto.

As reportagens de Conceição Lemes também demonstraram que a obra de aprofundamento da calha era a última possível para enfrentar o problema.

Em resumo, os paulistanos vão conviver eternamente com as enchentes periódicas, com a desculpa dos tucanos de que é por causa de muita chuva.

Dito e feito. Em press release, o governo paulista pediu aos paulistanos para ficarem em casa:

O volume de chuvas em alguns pontos da capital atingiu 100 mm em três horas – praticamente a metade da média prevista para todo o mês. A Defesa Civil recomenda que as pessoas fiquem em casa.

No passado, José Serra sugeriu que os paulistanos rezassem: “Foi uma chuva inusitada. Mesmo que estivesse tudo impecável seria inevitável haver problemas graves. Temos que rezar para que isso não se repita”.

A mídia amiga dos tucanos, por sua vez, abandonou de vez as denúncias que fazia no passado, sobre governantes estarem fora de São Paulo quando as enchentes aconteciam.

As manchetes eram subsequentemente usadas na campanha eleitoral.

Marta Suplicy elegeu-se prefeita de São Paulo pelo PT em 2000, mas foi derrotada por José Serra, do PSDB, quando tentou se reeleger.

Serra usou uma manchete da mídia amiga contra Marta.

O Estadão escreveu: Marta ignora as enchentes. De licença, está em Paris.

Mesmo fracassando no combate às enchentes como prefeito, Serra foi eleito governador de São Paulo em 2006.

Como governador, ficou três anos sem limpar a calha do rio Tietê, houve novas enchentes e mesmo assim ele concorreu ao Palácio do Planalto pelo PSDB em 2010.

Não há registro semelhante no Estadão, até agora, sobre Doria estar em Dubai enquanto São Paulo fica submersa.

Via VioMundo

Compartilhar: