CTB debate a diversidade social do país para igualdade avançar

Começou nesta sexta-feira (18), o Encontro Nacional da CTB: Visão Classista sobre a Diversidade Social, na Cidade Maravilhosa. A abertura do evento ocorreu no Sindicato dos Metalúrgicos do Rio de Janeiro, que no ano que vem completa 100 anos. 

Mais de 100 militantes das questões de gênero, igualdade racial e juventude, produziram ricos debates sobre a diversidade brasileira sob todos os aspectos. O presidente do Sindmetal-RJ, Jesus Cardoso, disse que é fundamental “enfrentar essa onda conservadora que assola o país e unir a classe trabalhadora contra os retrocessos”.

Acesse este link para ver o álbun de fotos do primeiro dia do encontro.

Já Mônica Custódio, secretária da Igualdade Racial da CTB, defende a “união de todos e todas para sair da defensiva e mantermos as nossas conquistas dos últimos anos e avançar”.

Foi muito falado sobre o papel da mídia neste contexto de ódio e violência predominante. “Não podemos mais aceitar que a mídia, principalmente rádios e TVs que são concessões públicas continuem criminalizando os movimentos sociais e tratando as mulheres como objetos, insuflando a violência contra as mulheres. Basta de pregar a discriminação e o ódio”, diz Ivânia Pereira, secretária da Mulher Trabalhadora da central que mais cresce no Brasil.

Tereza Bandeira, do Sindicato dos Trabalhadores em Telecomunicações da Bahia

Na parte da tarde, a socióloga Mary Garcia Castro analisou a conjuntura. “O movimento sindical, assim como os partidos políticos devem se reciclar e falar a linguagem do povo para dessa forma impedir o avanço das ideias fascistas”.

Eremi Melo, secretária-geral da CTB-RS 

Em seguida foi a vez do promotor do Ministério Público Federal, Wilson Prudente falar sobre a história da luta contra a escravidão. “Foi eleito um nazista para a presidência da maior potência mundial e nós precisamos articular uma conferência mundial contra o racismo e assim nos organizarmos para impedir retrocessos”, disse.

O ato foi encerrado com uma roda de samba, afinal ninguém é de ferro e estamos no Rio de Janeiro, a terra do samba, nos 100 anos desse gênero musical .

Portal CTB – Marcos Aurélio Ruy

Compartilhar: