Brasil possui 11,5 milhões de pessoas que não sabem ler ou escrever, indica pesquisa do IBGE

Os dados do PNAD (Pesquisa Nacional Por Amostra de Domicílio) Contínua, divulgados nesta sexta (18) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), mostram que no Brasil 1,5 milhões (7% dos brasileiros), com 15 anos ou mais, não sabem ler ou escrever. 

Os dados mostram que o Brasil não deve cumprir a meta estabelecida pelo Plano Nacional de Educação de erradicar o analfabetismo no país até 2024. Para 2015, o plano estabelecia uma redução do índice para 6,5%, o que ainda não aconteceu. O cenário desolador revela que, além do analfabetismo, o país persiste com diferenças marcantes entre estratos regionais, raciais e etários. 

Entre os negros e pardos, por exemplo, a taxa de analfabetismo sobe para 9,3% –  mais que o dobro que entre as pessoas de 15 anos ou mais de cor branca, que tem 4% de analfabetos. 

O estudo ainda apontou que entre as pessoas com 60 anos ou mais, a taxa de analfabetismo foi 19,3% . Entre os sexos, a redução da taxa de analfabetismo foi observada igualmente para homens e mulheres e com sutis diferenças. Em 2017, entre a taxa entre homens (7,1%) seguiu um pouco maior do que entre as mulheres (6,8%).

Diferenças regionais

De acordo com  os dados do Pnad, a região Nordeste segue líder em analfabetismo, 14,5% para pessoas com 15 anos ou mais de idade. Quando reduzimos para a população com 60 anos ou mais, esse dado sobre para 38,6%, sendo quase quatro vezes maior que a taxa do Sudeste para o mesmo grupo etário, 10,6% em 2017.

Em segundo, a região Norte, com 8%, seguida a região Centro-Oeste – 5,7%, Sudeste – 3,8% e Sul – 3,6%.

Portal CTB – Com informações do IBGE

Compartilhar: