Assis Melo defende nutricionista em restaurantes e empresas da área de alimentação

A presença de nutricionista nos estabelecimentos que prestem serviços de preparo e fornecimento de alimentação, consta no Projeto de Lei 4300, de 2012, de autoria do deputado Assis Melo, apresentado nesta quinta-feira (8). Na redação da proposta, os restaurantes e empresas que precisam ter a responsabilidade técnica de nutricionista são aqueles com produção maior de 50 refeições diárias.

A responsabilidade técnica do nutricionista prevista na proposta é dividida em três etapas. A primeira fase é a de planejamento e organização das atividades. Na segunda, a coordenação de produção, sendo incluída a seleção, aquisição e conservação de alimentos e também a sua manipulação. A terceira e última etapa consiste na orientação, assistência e educação alimentar e nutricional aos usuários.

A preocupação com a saúde da população motivou Assis Melo a apresentar a proposta.  “Grande parte da população faz pelo menos uma refeição por dia em restaurantes, lanchonetes e estabelecimentos do gênero. Por isso, melhorar a qualidade das alimentações servida nesses estabelecimentos, tornando-a nutricionalmente correta, significa proporcionar alguma refeição diária saudável à população”, argumenta.

Segundo pesquisa realizada pela Agência WMcCann, cerca de 50% dos brasileiros das classes C e D comem na rua. Se forem consideradas todas as classes sociais, esse percentual corresponde a 36%. Isso significa a movimentação no setor de R$ 9 bilhões por ano.

No entanto, para Assis Melo, o crescimento da alimentação fora de casa não tem contribuído decisivamente para preservar o estado nutricional da população brasileira. Ele cita a pesquisa realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, que mostra o crescimento do sobrepeso e obesidade dos brasileiros.

A pesquisa revela que entre o período de 1974/1975 a 2008/2009, o sobrepeso e a obesidade infantil passaram de 13,80% (meninos) e 10,40 (meninas) para, respectivamente, 48,60% e 46,60%. Entre adultos acima de 20 anos, que vem a ser a população economicamente ativa, os números subiram de 21,30% (homens) e 36,70% (mulheres) para, 62,50% e 64,90%.

Apoio do Conselho Federal de Nutrição

Na elaboração da proposta, Assis Melo contou com o apoio de representantes do Conselho Federal de Nutrição – CFN. Durante encontro, no mês de abril, Mara De Boni, presidente do CFN da 1ª Região, atribuiu o aumento da obesidade as mudanças de hábitos das pessoas que estão com a vida cada vez mais agitada, e se alimentam com maior frequência fora de casa.

O parlamentar afirmou que se sente honrado em representar os interesses da sociedade por meio de um projeto de tamanha importância para a saúde da população.

Fabiane Azevedo – Assessoria Assis Melo

Compartilhar: