Após manobra contra PEC, ruralistas sofrem críticas nas redes sociais

trabalho escravo

Internautas pedem que integrantes da Frente Parlamentar da Agropecuária revejam tentativas de descaracterizar crime de escravidão na legislação brasileira

As tentativas de integrantes da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), a chamada Bancada Ruralista, de alterar a definição de escravidão na legislação brasileira, descaracterizando esse crime, levaram internautas a deixarem dezenas de mensagens de protesto no Facebook. A ação acontece após artistas integrantes do Movimento Humanos Direitos alertarem para as tentativas de esvaziar a PEC do Trabalho Escravo, aprovada no Congresso Nacional em 27 de maio.  Promulgada como Emenda Constitucional 81 no último dia 5, a proposta prevê a expropriação de propriedades em que for flagrada a exploração de trabalho escravo e sua destinação para reforma agrária ou uso social (em áreas urbanas).

Atentos às manobras para alterar o Artigo 149 do Código Penal, que define o que é escravidão no país, internautas fizeram cobranças públicas na página da FPA no Facebook. A mobilização acontece como parte da campanha conjunta da Comissão Pastoral da Terra, Repórter Brasil e Walk Free pela aprovação da PEC do Trabalho Escravo sem alterações na definição deste crime. O abaixo-assinado promovido pelas organizações conta com apoio de mais de 30 mil pessoas – clique aqui para assinar.

Por Repórter Brasil

Compartilhar: