Apavorado com CPI, Flávio Bolsonaro berra a senadora do PSL: vocês querem me foder

Na tentativa de enterrar a CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Lava Toga, o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) telefonou aos berros para a senadora Selma Arruda, a Juíza Selma. De acordo com a parlamentar, em entrevista à Veja, o filho de Jair Bolsonaro disse: “Vocês querem me foder! Vocês querem foder o governo!”. A CPI teria o objetivo de investigar suposto ativismo judicial, além de condutas que violam a Constituição por parte de ministros do Supremo Tribunal Federal.

Flávio Bolsonaro passou a entrar na mira do Judiciário após o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) identificar que Fabrício Queiroz, ex-assessor dele, fez movimentações milionárias e atípicas de R$ 7 milhões de 2014 a 2017. A movimentação ocorreu quando o filho de Jair Bolsonaro era deputado estadual no Rio.

Flávio e o parceiro Queiroz: ligações obscuras perigosas com a milícia carioca

Depois que o escândalo veio à tona o senador do PSL se recolheu, evitando polêmicas e exposições públicas como as que caracterizam o comportamento dos seus contravertidos irmãos, o deputado Eduardo Bolsonaro, a quem o pai prometeu a embaixada de Washington, e o vereador carioca Carlos Bolsonaro.

Os três filhos de Jair são discípulos do astrólogo aloprado Olavo de Carvalho, um notável biruta da extrema direita que acaba de inventar o “quinto Beatle” (nada menos que o célebre filósofo alemão Theodor Adorno), conforme notou com sarcasmo o jornal Guardian. Por sinal, Adorno não apreciava muito a genial banda inglesa, de acordo com a publicação.

Basta um cabo e um soldado

Recentemente, o presidente do STF, Dias Toffoli, suspendeu as investigações contra Flávio Bolsonaro ao proibir o compartilhamento de dados pelo Coaf sem prévia autorização judicial. Há quem diga que ele fez isto com receio do cabo e do soldado que segundo o filho do presidente é o que basta para fechar a Corte Suprema. Depois do escândalo com Queiroz ele não tocou mais no assunto.

Outro detalhe é que, de acordo com informações de Veja, publicadas em agosto, o presidente do STF atuou para impedir uma eventual queda de Jair Bolsonaro. Empresários do setor industrial discutiam a possibilidade de um impeachment do atual ocupante do Planalto.

Flavio Bolsonaro deve ter razões de sobra para o desabafo desesperado. Os fatos que já foram revelados não deixam margem a dúvidas quanto às irregularidades que praticou enquanto deputado estadual no Rio, além de expor as controvertidas, e ainda não devidamente esclarecidas, ligações com a milícia. Por estranha ironia, o Clã Bolsonaro chegou ao poder à sombra da enganosa bandeira da luta contra a corrupção.  

Com informações do 247

Compartilhar: