Correios em greve por tempo indeterminado no Brasil

Trabalhadores e trabalhadoras da categoria estão parados contra a privatização da empresa e a redução de salários e benefícios. A greve foi decretada na noite desta terça-feira (10) em assembleias realizadas em diferentes estados do país.

Desprezando proposta de conciliação do Tribunal Superior do Trabalho (TST), a direção da empresa não quer renovar a Convenção Coletiva de Trabalho e está determinada a arrochar os salários e suprimir dezenas de cláusulas, destruindo conquistas da categoria e abrindo caminho para a entrega da estatal à iniciativa privada.

Os Correios foram incluídos no mês passado no programa de privatizações de Jair Bolsonaro. Os dirigentes da empesa, sob orientação do governo, manifestam radical intransigência no propósito de impor o retrocesso nas relações com os funcionáios, que do outro lado estão dispostos a resistir contra as perdas e contra a privatização.

O reajuste salarial com reposição da inflação do período é outro ponto da pauta de reivindicações da. A greve é geral e todos os 36 sindicatos de trabalhadores dos Correios aderiram à greve.

“A decisão foi uma exigência para defender os direitos conquistados em anos de lutas, os salários, os empregos, a estatal pública e o sustento da família”, afirmou em nota a Findect.

“Mesmo com a mediação do TST, a empresa não recebe os representantes dos trabalhadores há mais de 40 dias e se nega a negociar, pois insiste em reduzir benefícios que rebaixariam ainda mais o salário da categoria, que já é o pior entre todas as estatais”, disse a Fentect (Federação Interestadual da categoria).

Veja a situação em alguns estados:

Acre

O Sindicato dos Correios e Telégrafos do Acre (Sintec-AC) informou que ainda analisa se vai manter 30% dos servidores no atendimento ao público.

A categoria afirma que o acordo coletivo venceu no dia 31 de agosto e não conseguiu outro acordo com a empresa, mesmo com a mediação do Tribunal Superior do Trabalho.

Bahia

As agências permanecem abertas na Bahia, entretanto a entrega de correspondências fica afetada pelo tempo que durar o movimento. A empresa diz, porém, que não há suspensão de nenhum serviço.

O sindicato afirma que a Bahia possui 700 unidades dos Correios. Já a empresa diz que são 470 agências no estado, sendo 33 delas em Salvador.

Ceará

Funcionários dos Correios pararam as atividades em agências de Fortaleza e em cidades do estado. A categoria faz manifestações na sede dos Correios na capital e em frente a agências no interior.

Conforme o Sindicato dos Trabalhadores em Correios, Telégrafos e Similares do Ceará (Sintect-CE), servidores de outras unidades no estado devem reforçar a paralisação, fechando as agências. A principal reivindicação é um aumento salarial de 3,2%, em vez do reajuste de 0,8% proposto pelo Governo Federal.

Maranhão

Em São Luís, os servidores dos Correios aprovaram a greve em assembleia geral realizada na sede administrativa do sindicato da categoria (SINTECT-MA), no bairro Radional, em São Luís.

Como parte do movimento grevista, o sindicato anunciou um seminário das 8h30 as 16h desta quarta-feira na sede do Sindicato dos Bancários, na Rua do Sol, no Centro de São Luís. O assunto em destaque será sobre a possibilidade de privatização da empresa.

Mato Grosso

No Mato Grosso, a greve teve mais adesão em Cuiabá, Cáceres, Alta Floresta, Nova Mutum, Tesouro, Luca do Rio Verde. O sindicato diz que 30% do efetivo foi mantido na greve.

“Não temos concursos desde 2011. Não temos mais transporte aéreo de cargas, tudo chega por carretas. O Sedex, que antes chegava no dia seguinte, hoje demora entre cinco a 10 dias para ser entregue. São ações, de vários anos, que foram pensadas para piorar o serviço e causar essa impressão na população”, disse o presidente do Sindicato dos Trabalhadores dos Correios de Mato Grosso (Sintect-MT), Edmar dos Santos Leite.

Greve dos Correios começa nesta quarta-feira (11), na Paraíba — Foto: Reprodução/TV Cabo BrancoGreve dos Correios começa nesta quarta-feira (11), na Paraíba — Foto: Reprodução/TV Cabo Branco

Greve dos Correios começa nesta quarta-feira (11), na Paraíba — Foto: Reprodução/TV Cabo Branco

Paraíba

Os trabalhadores dos Correios da Paraíba aprovaram a greve por tempo indeterminado em assembleia realizada no Sindicato dos Trabalhadores de Correios e Telégrafos da Paraíba (Sintect).

A principal reivindicação, segundo o sindicato, é a reposição salarial de acordo com a inflação e os benefícios integrais no valor acumulado da inflação do período agosto de 2018 a julho de 2019. Além disso, os trabalhadores pedem manutenção de cláusulas sociais e aumento de salário no valor de R$ 300 linear.

Paraná

Agências e unidades dos Correios do Paraná amanheceram fechadas nesta quarta-feira. De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores dos Correios do Paraná (Sintcom-PR), serviços de entrega e postagem realizados pela empresa estão paralisados por tempo indeterminado.

O sindicato informou que a greve afeta as atividades da Unidade de Tratamento Internacional, que trata das encomendas que vêm do exterior e são distribuídas para todo o país. Segundo os Correios, o centro de Curitiba é uma das três unidades da empresa em todo o Brasil.

Pernambuco

A greve afeta os centros de distribuição como o de San Martin, na Zona Oeste do Recife. O portão de acesso estava fechado e, segundo os trabalhadores, o serviço não funciona nesta quarta.

Em Caruaru, no Agreste de Pernambuco, alguns funcionários colaram faixas e cartazes com as frases “Não à privatização dos Correios”. No município, 90% dos funcionários aderiram à greve, segundo o diretor do Sindicato dos Trabalhadores dos Correios de Pernambuco, Jim Kelly.

Piauí

O Sindicato dos Trabalhadores dos Correios do Piauí (Sintect-PI) aderiu à greve nacional da categoria. Segundo a assessoria de comunicação dos Correios, não há, porém, suspensão de nenhum serviço.

“Em Teresina tivemos várias agências fechadas, estamos com a situação de sucateamento total, para justificar a privatização. Os carros de entrega quebrados. Ainda querem tirar nossos direitos, como vales alimentação”, afirmou o diretor jurídico da entidade, José Rodrigues.

Rio Grande do Norte

Nesta quarta (11), os funcionários em greve se reuniram na Avenida Hermes da Fonseca, em frente ao Complexo dos Correis, no Tirol, Zona Leste de Natal, em um ato público. Em Mossoró, no Oeste potiguar, também houve protestos da categoria.

Rio de Janeiro

Na capital fluminense, funcionários dos Correios do Rio fazem uma manifestação nesta quarta-feira (11), na porta do Centro de Tratamento de Encomendas em Benfica, na Zona Norte.

Santa Catarina

OS funcionários dos Correios de Santa Catarina entraram em greve por tempo indeterminado, após assembleia realizada na noite de terça-feira (10), em Florianópolis. A categoria não aceitou a proposta de reajuste salarial oferecida pela empresa, de 0,8%, menor que os 3,1% da inflação acumulada em 12 meses pelo Índice de Preços ao Consumidor (INPC).

São Paulo

Conforme informações do Sindicato, 70% do operacional (Sedex e carteiros) estão parados na capital. A greve também paralisou serviços da empresa em Campinas.

Sergipe

Os serviços realizados pelos Correios em Sergipe também foram afetados pela paralisação nesta quarta-feira (11), de acordo com o Sindicato dos Trabalhadores dos Correios e Telégrafos do Estado de Sergipe (Sintect/SE), que representa cerca de 700 funcionários.

Tocantins

Segundo o sindicato que representa a categoria, ao menos 30 unidades estão fechadas no estado. No Tocantins, são 746 trabalhadores. Há unidades dos Correios em praticamente em todo o estado, exceto nos municípios de Bom Jesus e Chapada da Natividade.

Com informações do G1

Compartilhar: