Sidebar

17
Seg, Jun

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva vai participar nesta segunda-feira(4) de um ato político em defesa da democracia e dos direitos trabalhistas, organizado pela Frente Brasil Popular ABC Contra o Golpe. A concentração será na sede do Sindicato dos Metalúrgicos, em São Bernardo do Campo, a partir das 18h. “O Brasil vive hoje um momento muito triste de sua história. Grupos de oposição ao governo tentam derrubar a presidenta Dilma, eleita pelo voto da maioria dos brasileiros, sem que ela tenha cometido nenhum crime”, defendeu a frente, em nota divulgada hoje (31).

A frente reúne movimentos sociais e trabalhadores que temem retrocessos em direitos sociais e trabalhistas, caso se efetive a tentativa de derrubar a presidenta da República, Dilma Rousseff. “Se isso acontecer, os direitos conquistados pelos trabalhadores estarão seriamente ameaçados”, argumentam.

Os trabalhadores mencionam 55 projetos encabeçados pelos defensores do impeachment da presidenta Dilma, dentre eles a terceirização ilimitada (PLS 30/2015), a mudança na caracterização de trabalho escravo e o fim da multa adicional de 10% do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), à empresa, por demissão de trabalhador sem justa causa.

Este é mais um dos muitos atos que vêm sendo realizados quase que diariamente contra o impeachment em vários pontos do Brasil. Alguns deles foram realizados no exterior. Em Genebra, o ato foi no sábado (2), e no domingo (3), em Madri.

A Frente Brasil Popular, que reúne movimentos sociais e centrais sindicais, vem criando comitês em defesa da democracia em várias cidades e na periferia das capitais. Na segunda-feira (28), a frente inaugurou um acampamento popular na Praça do Patriarca, região central de São Paulo, onde estão sendo realizados debates e atividades culturais.

Temer tem que aprender sobre eleições

No último sábado (2), Lula esteve em Fortaleza (CE) e cobrou responsabilidadem durante o ato, do vice-presidente da República, Michel Temer. “Eu perdi muitas eleições. E eu quero que ele (Temer) aprenda sobre as eleições. O Temer é um professor de direito e sabe que o quê estão fazendo é um golpe. E isso, ele sabe que vão cobrar é dos dos filhos dele, é do neto dele amanhã. Porque a forma mais vergonhosa de chegar ao poder é tentar derrubar um mandato legal“, condenou Lula.

O ex-presidente ainda garantiu ao povo que, se o Supremo Tribunal Federal (STF) aprovar, esta semana ele assumirá a Casa Civil para contribuir com o governo Dilma. “Quinta-feira, eu estarei assumindo a Casa Civil, se a Suprema Corte aprovar, para ajudar a presidente Dilma, andar de mãos dadas com ela e com vocês, para criar condições de melhorar a vida do povo. Nós temos que garantir a governabilidade à Dilma”, disse.

Ele cobrou que os opositores ao governo expliquem os motivos de tanto “ódio” contra Dilma.

“Será que é ódio por que a empregada doméstica passou a ter direito neste país? Será que é ódio por que filho de pobre, negro, da periferia, passou a fazer faculdade? Será que é ódio por que 22 milhões de empregos foram gerados em 12 anos? Será que o ódio é por que todos os trabalhadores organizados tiveram aumento de salário? Será que é por causa do Fies, do Pronatec, das escolas técnicas, do Minha Casa Minha Vida, do Bolsa Família e do aumento real do salário minimo: Eles precisam explicar porque tanto ódio da primeira mulher que preside o país”, questionou o ex-presidente.

“Eu estou estranhando um pouco o que está acontecendo no nosso país. Eu completei 70 anos de idade. Vivo nesse país fazendo política e nunca vi um clima de ódio estabelecido no país como está estabelecido agora. Aqueles que amam a democracia aqueles que gostam de fazer política querem que se respeite a coisa mais elementar, que é o respeito ao voto popular que elegeu a Dilma”, completou.

Portal CTB com agências

0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.