Sidebar

18
Qui, Jul

Noam Chomsky

  • Nesta segunda-feira (17), o linguista, filósofo e ativista norte-americano Noam Chomsky fala a blogueiros e mídias alternativas sobre golpe, democracia, a ameaça da extrema-direita e as eleições no Brasil.

    Chomsky veio ao país para o seminário internacional Ameaças à democracia e à ordem multipolar, organizado pela Fundação Perseu Abramo, ocorrido na sexta-feira (14).

    No evento, ele afirmou que os cortes sociais praticados no Brasil são a estratégia adotada em todos os governos neoliberais e que o neoliberalismo é responsável pelo crescimento da extrema direita em diversos países do mundo. 

    A coletiva será no Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé, em São Paulo. Acompanhe a palestra de hoje ao vivo, a partir das 18h, no site www.baraodeitarare.org.br.

    Assista: 

    Portal CTB

     

  • “Os abusos do poder judiciário contra Lula da Silva configuram uma perseguição política mal disfarçada sob manto legal. Lula da Silva é um preso político. Sua detenção mancha a democracia brasileira. Os defensores da democracia e da justiça social no Oriente e no Ocidente, no Norte e no Sul do globo, devem se unir a um movimento mundial para exigir a libertação de Lula da Silva”, diz trecho do manifesto acompanhado do abaixo-assinado, que pede a libertação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

    Entre as 303 assinaturas estão o norte-americano Noam Chomsky, um dos principais intelectuais da atualidade, Angela Davis, escritora norte-americana e ativista feminista e por igualdade racial, Leonardo Padura, escritor e jornalista cubano, Thomas Piketty, destacado economista francês e o economista e professor universitário português Boaventura de Sousa.

    A petição lembra que Lula foi condenado em segunda instância e está preso por ser considerado dono de um triplex no Guarujá, no litoral paulista, mesmo sem nenhuma prova.

    Leia o manifesto na íntegra e assine a petição pelo link https://chn.ge/2kpoxzi.

    “Além de não provar que Lula era proprietário do apartamento, o Ministério Público não pode apontar nenhuma ação ou omissão específica que Lula tenha executado para beneficiar a OAS. Lula havia sido acusado de beneficiar essa empresa com três contratos de fornecimento para a Petrobras. Após meses de investigações, nenhuma prova material nesse sentido foi encontrada. Moro então condenou Lula por ter praticado ‘atos indeterminados de corrupção’ que teriam beneficiado a OAS. Essa categorização inverte o ônus da prova e a presunção de inocência e simplesmente não existe no sistema jurídico brasileiro”, diz outro trecho do manifesto.

    Portal CTB. Foto: Francisco Proner

  • Susan Sarandon, Viggo Mortensen e Noam Chomsky apoiam Dilma contra o golpe

    Vários artistas estrangeiros lançaram nesta quarta-feira (24) um manifesto em defesa da democracia brasileira. Contra o golpe em marcha no país, disfarçado de impeachment da presidenta eleita pelo voto popular, Dilma Rousseff.

    “Estamos preocupados com o impeachment de motivação política da presidenta, o qual instalou um governo provisório não eleito. A base jurídica para o impeachment em curso é amplamente questionável e existem evidências convincentes mostrando que os principais promotores da campanha do impeachment estão tentando remover a presidenta com o objetivo de parar investigações de corrupção nas quais eles próprios estão implicados”, diz trecho do manifesto (leia a íntegra no final do texto).

    Assinam o manifesto o cineasta Oliver Stone, a atriz Susan Sarandon, o ator Viggo Mortensen, o ator Danny Glover, o linguista Noam Chomsky, o compositor Brian Eno, a estilista Vivienne Westwood, entre diversas outras personalidades.

    Também na quarta-feira, intelectuais brasileiros encaminharam uma petição ao presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski pedindo a anulação do processo de impeachment contra a presidenta Dilma.

    Assinam a petição o escritor Fernando Morais, os jornalistas José Trajano e Alípio Freire, os professores universitários Stella Maris de Freitas e Laymert Garcia dos Santos, entre outros. O texto da petição acusa Eduardo Cunha de "desvio de poder e ofensa à moralidade administrativa".

    Além de apontar "interferência externa, deslealdade processual, ausência de liberdade de julgamento e abuso de poder" (leia a íntegra aqui).

    fernando morais jose trajano alipio freire stella maris de freitas laymert garcia dos santos

    Canta a Democracia

    O show “Canta a Democracia” (acesse página do Facebook aqui) reuniu inúmeros artistas para cantar a liberdade no Circo Voador, no Rio de Janeiro e no Apollo Theater, em Nova York.

    Entre muitos outros artistas, participaram Wagner Moura, Bebel Gilberto, Fernando Morais, Letícia Sabatella, Tico Santa Cruz, Zélia Duncan, Bia Lessa, Ernesto Neto, Sérgio Sérvulo da Cunha, Márcia Tiburi, Edgard Scandurra, Tata Amaral, Arrigo Barnabé, Roberto Amaral e Daniel Filho.

    Artistas interpretam "A Farsa" no "Canta a Democracia" 

    “Canta a Democracia é o nome do espetáculo e também da campanha que coloca no palco artistas e grandes nomes da cultura brasileira que querem defender os direitos de todo cidadão brasileiro. O Brasil das mulheres. Dos negros. Dos cidadãos LGBT. Dos indígenas. O Brasil dos trabalhadores, dos aposentados, dos estudantes, de todos nós. O Brasil que já teve importantes conquistas e não pode, de forma alguma, voltar para trás. Um país que tem de preservar o que já conseguiu com muita luta. Um país que tem de assegurar o direito do voto. Um país que diz não ao golpe”, afirma o manifesto do evento.

    Leia a íntegra do manifesto dos artistas e intelectuais estrangeiros:

    Nos solidarizamos com nossos colegas artistas e com todos aqueles que lutam pela democracia e justiça em todo o Brasil

    Estamos preocupados com o impeachment de motivação política da presidenta, que instalou um governo provisório não eleito. A base jurídica para o impeachment em curso é amplamente questionável, e existem evidências convincentes demonstrando que os principais promotores da campanha do impeachment estão tentando remover a presidenta com o objetivo de parar investigações de corrupção nas quais eles próprios estão implicados.

    Lamentamos que o governo interino no Brasil tenha substituído um ministério diversificado, dirigido pela primeira presidente mulher, por um ministério compostos por homens brancos, em um país onde a maioria se identifica como negros ou pardos. Tal governo também eliminou o Ministério das Mulheres, Igualdade Racial e dos Direitos Humanos. Visto que o Brasil é o quinto país mais populoso do mundo, estes acontecimentos são de grande importância para todos os que se preocupam com igualdade e direitos civis.

    Esperamos que os senadores brasileiros respeitem o processo eleitoral de 2014, quando mais de 100 milhões de pessoas votaram. O Brasil emergiu de uma ditadura há apenas 30 anos, e esses eventos podem atrasar o progresso do país em termos de inclusão social e econômica por décadas. O Brasil é uma grande potência regional e tem a maior economia da América Latina. Se este ataque contra suas instituições democráticas for bem sucedido, ondas de choque negativas irão reverberar em toda a região.

    Assinam:

    Tariq Ali – Escritor, jornalista e cineasta

    Harry Belafonte – Ativista, cantor e ator

    Noam Chomsky – Professor emérito de Linguística no MIT, teórico e intelectual

    Alan Cumming – Ator e autor

    Frances de la Tour – Atriz

    Deborah Eisenberg – Escritora, atriz e professora

    Brian Eno – Compositor, cantor, artista visual e produtor

    Eve Ensler – Dramaturga, autora de “Os Monólogos da Vagina”

    Stephen Fry – Locutor de rádio, ator, diretor

    Danny Glover – Ator e diretor de cinema

    Daniel Hunt – Produtor musical e cineasta

    Naomi Klein – Escritora e cineasta

    Ken Loach – Cineasta

    Tom Morello – Músico

    Viggo Mortensen – Ator e músico

    Michael Ondaatje – Novelista e poeta

    Arundhati Roy – Autora e ativista

    Susan Sarandon – Atriz

    John Sayles – Roteirista, diretor e novelista

    Wallace Shawn – Ator, dramaturgo e comediante

    Oliver Stone – Cineasta

    Vivienne Westwood – Estilista

    Marcos Aurélio Ruy – Portal CTB com agências

  • “Lula da Silva é o prisioneiro político mais importante do mundo. Você ouve alguma coisa na imprensa sobre isso? Bem, Assange é um caso similar”, disse o filósofo

    Noam Chomsky, renomado linguista, filósofo e cientista político norte-americano, comparou a prisão do fundador do WikiLeaks, Julain Assange, com a do ex-presidente Lula e a do filósofo marxista italiano Antonio Gramsci. A análise foi feita durante entrevista concedida ao canal Democracy Now.

    De acordo com Chomsky, há uma tentativa de silenciar as vozes de Assange e Lula, lembrando da prisão de Gramsci sob o fascismo. O intelectual destaca a proibição de Lula fazer declarações públicas e afirma que “ele é o prisioneiro político mais importante do mundo. Você ouve alguma coisa na imprensa sobre isso? Bem, Assange é um caso similar: temos que silenciar essa voz”.

    “Alguns podem se lembrar quando o governo fascista de Mussolini colocou Antonio Gramsci na prisão. O promotor disse: ‘Temos que silenciar essa voz por 20 anos. Não podemos deixá-lo falar’. Isso é o Assange. Isso é o Lula. Isso é um escândalo”, disse.

    “Sob o governo Lula, no início deste milênio, o Brasil foi um dos mais – talvez o país mais respeitado do mundo. Foi a voz do Sul Global sob a liderança de Lula da Silva”, acrescentou Chomsky.

    Fonte: Fórum

  • Em vídeo irônico, a atriz Tássia Camargo dá um recado à militância contra o golpe. Ela diz que as pessoas têm que se manifestar sim, porque tiraram a presidenta Dilma sem comprovação de crime.

    E reprimem violentamente a juventude que sai às ruas em defesa do direito de protestar livre e pacificamente. Ela aproveita e conta que vai filiar-se ao PT.

    “Não sou petista, mas vou me filiar ao PT, porque aí você vai poder dizer aquela ‘petista’”. Falou ainda que “se quiser me chamar de petista, se quiser me chamar de comunista, pode chamar. Um beijo vermelho pra você”.

    Veja Tássia Camargo 

    Noam Chomsky

    noam chomsky

    Em entrevista ao “Democracy Now”, da TV NPR, dos Estados Unidos, o linguista e filósofo norte-americano Noam Chomsky afirma que “a elite (brasileira) sempre detestou o Partido dos Trabalhadores e está usando esta oportunidade para livrar-se do partido que ganhou as eleições”.

    Ele diz ainda que a presidenta Dilma seja “talvez a única liderança política que não roubou para beneficiar a si própria” e fala que as tais “pedaladas fiscais” acontecem em muitos países e não configuram crime nenhum.

    Leia mais

    Glenn Greenwald detona Michel Temer em telejornal norte-americano. Assista! 

    Bob Fernandes: parlamentares afastam Dilma para salvar seus pescoços

    Marcos Aurélio Ruy – Portal CTB