Sidebar

19
Sex, Jul

CTB-RR

  • O protesto deste dia 5 de dezembro contra a reforma da previdência em Boa Vista começou às 8h, na zona oeste da capital de Roraima. As dirigentes da CTB-RR e do Sitram organizaram o movimento que ocorreu pacificamente na Avenida Princesa Isabel com o apoio da Secretaria Municipal de Trânsito. Durante o evento um carro de som tocava jingles e os trabalhadores panfletaram e acompanharam em alto e bom som ‘tira o Temer daí’, paródia da música ,"Malandramente".

    Roraima é o menor estado do país, com a estimativa de 522.636 habitantes, segundo os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Por mês são injetados na economia local R$ 40,4 milhões correspondente a 41.451 assegurados. “No estado não temos indústrias. A economia gira em torno do serviço público, agricultores, aposentados e pensionistas. Com essa reforma, seremos um dos estados brasileiros mais afetados. Iremos regredir, não podemos aceitar essa destruição da Previdência,” ressaltou a presidenta da CTB-RR, Lucinalda Coelho.

    Fonte: CTB-RR, por Felipe Medeiros e Camila Souza (texto e foto)

  •  A Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil, seção Roraima (CTB-RR) e o Sindicato dos Trabalhadores Municipais de Boa Vista (Sitram) realizarão um ato público contra a reforma da previdência nesta terça-feira (5) - Dia Nacional de Luta. O ato será em frente ao Sitram (Av. Princesa Isabel, 3776, Santa Tereza) zona oeste de Boa Vista, capital de Roraima, a partir das 8h da manhã.

    “Não podemos aliviar. Eles suspenderam a votação da reforma prevista para o dia 6. Mas se a votação acontecer e for aprovada, o Brasil vai parar”, destacou a presidenta da CTB-RR, Lucinalda Coelho.

    Para a presidenta, a população precisa ter mais conhecimento sobre os impactos desta reforma. “Seremos uma geração de idosos desempregados, sem aposentadoria e doentes. Neste momento não podemos deixar o conformismo tomar conta. Precisamos lutar, nos unir”.

    O ato terá carro de som explicando para quem passar pela avenida Princesa Isabel os impactos dessa reforma. “As manifestações se concentram sempre no centro da capital e o trabalhador que pega pesado, que não come direito, que não vê TV e que não tem tempo pra se informar melhor fica esquecido na zona Oeste da capital, pretendemos levar conhecimento para estes trabalhadores. A nossa arma é o conhecimento e a resistência”, explicou a presidenta do Sitram, Sueli Cardozo, sobre o local da manifestação.

    Fonte: CTB-RR

     

  • Diante das mudanças que ameaçam a classe trabalhadora, a presidenta da CTB-RR, Lucinalda Coelho, e o economista do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), Inaldo Seixas, visitaram o Sindicato dos Agricultores Familiares e Trabalhadores Rurais do Município de Bonfim, norte do estado, com objetivo de levar informações aos trabalhadores. A reunião ocorreu nesta terça-feira (28), após o horário de trabalho dos agricultores. A reforma da Previdência foi um dos pontos mais abordados por ser o ataque do governo que mais afeta os trabalhadores rurais.

    “Percebemos que ainda faltam informações para os sindicatos rurais mesmo com toda a preocupação dos sindicatos. Buscamos com essa visita esclarecer as leis e PL’s que impactam o trabalhador”, Lucinalda Coelho.

    Para o economista do Dieese, mesmo com as formas de trabalho diferentes da cidade, a reforma trabalhista em vigor desde 11 de novembro, afeta o trabalhador rural. “As reformas beneficiam somente os grandes empresários rurais que poderão precarizar ainda mais os serviços e retomar a escravidão”.

    dieese sindicato rural roraima

    Durante a visita, o economista e a presidenta destacaram os impactos no congelamento dos gastos públicos que piora os serviços básicos de saúde e educação da zona rural. “Os serviços básicos no campo já são precários. O atendimento numa unidade de saúde do interior é demorado, faltam médicos e remédios, com o congelamento dos gastos a situação só vai piorar”, concluiu a presidenta.

    “Os sindicatos rurais precisam se unir com os das cidades para frear todas as reformas”, concluiu Inaldo Seixas.

    Fonte: CTB-RR

     

  • O Carnaval passou, mas a luta continua e precisa ter a mesma energia carnavalesca. Por isso, um dos funcionários administrativos do Sindicato dos Trabalhadores Municipais de Boa Vista (Sitram), filiado à CTB-RR, criou uma swingueira para embalar o não à reforma da previdência. O som foi aprovado pela diretoria das entidades que lançaram a música durante o ato desta semana.

    Segundo Valderi Sousa (MC Dery Sousa), autor da letra, o ritmo foi criado após presenciar diariamente o esforço das entidades sindicais para que as pessoas se atentem para o quão prejudicial é a reforma da Previdência. “Eu sempre brinquei de fazer música. E música é algo que funciona mais rápido nas pessoas, podemos concluir pelos hits do Carnaval que grudam na memória”, lembra.

    Ele explica que usou pontos chaves para a música ficar na cabeça do trabalhador. “Passei alguns dias estudando os materiais da CTB e criei a música com o que é mais importante para as pessoas saberem: querem acabar com a aposentadoria, mas podemos evitar”, destacou o agora também MC Dery.

    As sindicalistas decidiram divulgar o material nas rádios e redes sociais. “Precisamos usar todos os meios para alertar a população contra a reforma da Previdência. O hit ‘Se votar não volta’ é muito criativo e nos representa”, destacou Sueli Cardozo, presidente do Sitram.

    Confira a letra e a música:

    Se votar não volta
    Autor: MC Dery Sousa

    Ai meu Deus
    Tudo que eu não queria
    Querem acabar com a aposentadoria (2x)

    Sempre trabalhei para me sustentar
    E agora não posso me aposentar

    Reforma da Previdência não vai ajudar ninguém
    Só vai maltratar o cidadão de bem.

    Vem nesse swuing que você nunca viu
    Com Sitram e CTB vamos mudar o Brasil (2X)

    Se votar não volta
    Se voltar não volta
    Se votar não volta. Pode acreditar.

    Se votar não volta
    Se votar não volta
    Se votar não volta
    O povo não vai deixar.

    Felipe Medeiros - CTB-RR (texto e fotos)